METODOLOGIA E CONVENÇÃO DE ABREVIATURAS UTILIZADAS NA

REVISTA DA ASBRAP

 

 

 

 

 

 

METODOLOGIA PARA DESCRIÇÃO DE ASCENDENTES:

-      A árvore de costado descritivo dá sempre o nº 1 à pessoa que se inicia a descrição de seus ascendentes.

-      Os homens terão sempre números pares e as mulheres sempre números ímpares (à ex­ceção do nº 1, que varia).

-      Os pais do nº 1 serão 2 e 3.

-      Os avós paternos 4 e 5 e os maternos 6 e 7, etc.

-      Para se conhecer os pais de um determinado número, multiplica-se por 2 para o pai e, e a este nº encontrado adiciona-se 1 para a mãe. Exemplo:

-      os pais do nº 20 são 40 e 41.

-      Para se conhecer o filho de determinado nº faz-se operação inversa. Exemplo:

-      o número 35 é mulher do nº 34 e mãe do nº 17.

 

METODOLOGIA PARA DESCRIÇÃO DE DESCENDENTES:

-      Será adotado o sistema português moderno.

-      Os trabalhos são divididos em títulos de família (Abreus, Carvalhos, Laras, etc.)

-      Cada título (ttº) é dividido em parágrafos (§).

-      Cada parágrafo (§) pode receber nome que mostre como eram conhecidos os membros da­quele ramo.

-      O tronco, elemento iniciante da família, está sempre no § 1 e terá a numeração I (algarismo romano).

-      Os filhos deste tronco serão relacionados em seqüência, todos com o número II (romano), entre parênteses, indicando a geração de que fazem parte, precedidos pelo número (arábico) que mostre a ordem de nascimento.

-      Fora a descendência da primogenitura varonil (que se seguirá no mesmo parágrafo), cada outro filho ou filha, se houver interesse do autor, será remetido para outro parágrafo, onde se fará referência à sua filiação para facilitar a sua identificação.

 

Observações a serem consideradas:

-      Os nomes dos descendentes e de seus cônjuges devem constar em letras maiúsculas. Em conseqüência, os pais e avós de um cônjuge não virão em letras maiúsculas.

-      No caso de um ramo desentroncado, ou ainda não devidamente ligado ao tronco, lançá-lo nos últimos parágrafos, com a menção desentroncado.

-      Preferencialmente seguir a descendência varonil do ramo em cada parágrafo, como se hou­vesse morgadio na família.

-      A localização de uma pessoa se dará simplesmente da seguinte maneira: § 45 nº VIII, sendo que o VIII indica a geração de que faz parte. Não se faz menção, por não haver ne­cessidade, do número arábico, que indica a ordem de nascimento.

-      A escolha do número para os parágrafos fica a critério do autor. Este método facilita a in­serção, infinita, de novos ramos que vão sendo descobertos no transcurso de uma pes­quisa.

-      As mulheres devem vir sempre com o nome de solteira, e se desejado pelo autor, o nome de casada viria depois, com a devida distinção.

CONVENÇÃO DE ABREVIATURAS:

1) DE EXPRESSÕES USUAIS:

 

bat.  ............... batizada/ batizado

C.  ................. Casou/ Casou-se

c.  .................. com

Cap.  .............. capitão

Cav.  .............. cavaleiro

C.B.A.  .......... Carta de Brasão de Armas

Cel.  ............... coronel

c.g.  ............... com geração

Cia.  ............... Companhia

concº  ............ concelho

C.R.  .............. Casa Real

D.  ................. Dom/ Dona

Dr.  ................ doutor

ed.  ................ edição

Engº  ............. engenheiro

fª  ................... filha

fal.  ................ faleceu/ falecida/ falecido

Fid.  ............... fidalgo

fls.  ................ folha/ folhas

fº  .................. filho

Fr.  ................ frei

fregª  .............. freguesia

F.S.O.  .......... Familiar do Santo Ofício

g.  .................. geração

Gen.  ............. general

Gov.  ............. governador

hab.  .............. habilitado/ habilitação

ib.  ................. ibidem

invº  ............... inventário

Lº  ................. livro

Lº mº  ............ livro misto

Maj.  .............. major

n.  .................. nascida/ nascido

n.m.  .............. neta/ neto por parte materna

nº  .................. número

n.p.  ............... neta/ neto por parte paterna

N.S.  .............. Nosso Senhor

N.Sª  .............. Nossa Senhora

O.C.  ............. Ordem de Cristo

op. cit.  .......... opus citatum (obra citada)

pág.  .............. página

Pe.  ................ padre

q.d.  ............... que se descobriu através de documentos

S.  .................. Santa/ Santo/ São

Sarg.  ............. sargento

s.g.  ............... sem geração

s/m.  .............. sua mulher

s.m.n.  ........... sem mais notícias

Ten.  .............. tenente

testº  .............. testamento

testrº  ............. testamenteiro

ttº  .................. título

v.  .................. verso

vª  .................. vila

vigrº  ............. vigário

V.O.T.  .......... Venerável Ordem Terceira

X.N.  ............. cristão novo

X.V.  ............. cristão velho

 

2) DE FONTES ARQUIVÍSTICAS:

 

ACM..  .......... Arquivo da Cúria Metropolitana de ... (sigla do estado).

AHU  ............. Arquivo Histórico Ultramarino (Lisboa, Portugal).

IAN/TT  ........ Instituto dos Arquivos Nacionais/ Torre do Tombo (Lisboa, Portugal).

BNP  .............. Biblioteca Nacional de Portugal.

BNRJ  ........... Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

DAESP  ......... Divisão do Arquivo do Estado de São Paulo.

 

3) DE FONTES BIBLIOGRÁFICAS:

ACCSP  ........ Atas da Câmara da Cidade de São Paulo, publicação oficial do Arquivo Histórico Municipal de São Paulo.

AGB/IGB  ..... Anuário Genealógico Brasileiro, publicação do Instituto Genealógico Bra­sileiro.

AGL/IGB  ..... Anuário Genealógico Latino, publicação do Instituto Genealógico Brasi­leiro.

BGB/IGB  ..... Biblioteca Genealógica Brasileira, publicação do Instituto Genealógico Brasileiro.

BGL/IGB  ..... Biblioteca Genealógica Latina, publicação do Instituto Genealógico Brasi­leiro.

BR.GEN.  ...... Brasil Genealógico- Revista do Colégio Brasileiro de Genealogia.

CG  ................ JABOATÃO, Fr. Antonio de S. Maria (* 1695- 1779). Catálogo Genealógico das Principais Famílias que procedem de Albuquerques Cavalcantes em Pernambuco e Caramurus na Bahia, em duas edições:

1ª-   1889, Rio de Janeiro. In RIHGB, volume 52.

2ª-   1947, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. In RIHGB, volume 191.

DIC.BAN.  .... FRANCO, Francisco de Assis Carvalho (* 1886- 1953). Dicionário de Ban­deirantes e Sertanistas do Brasil, São Paulo: Indústria Gráfica Siqueira S/A, 1954.

DH/BNRJ  .... Documentos Históricos, publicação da Biblioteca Nacional, do Rio de Ja­neiro.

DOC.INT.  .... Documentos Interessantes para a história e costumes de São Paulo, pu­blicação oficial da Divisão do Arquivo do Estado de São Paulo.

F.NEGRÃO  . NEGRÃO, Francisco (* 1871- 1937). Genealogia Paranaense, Curitiba: Im­pressora Paranaense, 1926 a 1950, 6 volumes.

FP  ................. LIMA, Jacinto Leitão Manso de (* 1690- 1753). Famílias de Portugal (cópia fiel do manuscrito original existente na Biblioteca Nacional de Lisboa- pu­blicado de letras A a M), Lisboa: 1925 a 1931, 14 volumes.

F.GAYO  ....... GAYO, Manoel José da Costa Felgueiras (* 1750- 1831). Nobiliário das Famílias de Portugal, em duas edições:

1ª-   1938 a 1942, Braga: Tip. Augusto Costa & Cia. Ltda., 17 volumes.

2ª-   1989 a 1990, Braga: Oficinas Gráficas de Barbosa & Xavier, Ltda. Edição Carvalhos de Basto, fac-similar da 1ª, 12 volumes.

INV. E TEST. Inventários e Testamentos, publicação oficial da Divisão do Arquivo do Estado de São Paulo.

NOB.MAD.  .. NORONHA, Henrique Henriques de (* 16??- 1730). Nobiliário da Ilha da Madeira, publicado pelo Instituto Genealógico Brasileiro. In BGL/IGB, São Paulo: 1948, 3 volumes, composta em 1700.

NIT................. SOARES, Eduardo de Campos de Castro de Azevedo (CARCAVELLOS), Nobiliário da Ilha Terceira. 3 volumes, Porto: Fernando Machado & Cia, 1944.

NP  ................. FONSECA, Antonio José Vitoriano Borges da (* 1718- 1786). Nobiliarquia Pernambucana, Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1935, 2 volumes.

NPHG  ........... LEME, Pedro Taques de Almeida Paes (* 1714- 1777). Nobiliarquia Paulis­tana Histórica e Genealógica, em 5 edições:

1ª-   1869 a 1872. In RIHGB, tomos XXXII (parte 1ª), XXXIII (parte 1ª), XXXIV (parte 2ª) e XXXV (parte 1ª), Rio de Janeiro: B.L. Garnier, Li­vreiro- Editor.

2ª-   1926 (o 1º volume in RIHGB, tomo especial, Rio de Janeiro), 1941 (volume 2, in RIHGSP, volume XXXIX, São Paulo) e 1944 (3º vo­lume, in RIHGSP, volume XXXIX-bis, São Paulo).

3ª-   1953, em 3 volumes, pela Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, compondo a série Biblioteca Histórica Paulista- São Paulo: Livraria Martins Editora.

4ª-   1953. Idem à 3ª edição, tiragem de luxo.

5ª-   1980, em 3 volumes, da coleção Reconquista do Brasil (nºs 5, 6 e 7), São Paulo: Editora Itatiaia Ltda. (Belo Horizonte, MG), em regime de co-edição com a EDUSP- Editora da Universidade de São Paulo.

PFRJ  ............ RHEINGANTZ, Carlos G. (* 1915- 1988). Primeiras Famílias do Rio de Ja­neiro (Séculos XVI e XVII), Rio de Janeiro: Livraria Brasiliana Editora, 1967-1995, 3 volumes.

PL  ................. MORAES, Cristóvão Alão de (* 1632- 1693). Pedatura Lusitana- Hispânica (Nobiliário de Famílias de Portugal), Porto: Livraria Fernando Machado, 1943 a 1948, 12 volumes, composta de 1667 a 1690.

RAPM  .......... Revista do Arquivo Público Mineiro.

RGB/IGB  ..... Revista Genealógica Brasileira, publicação do Instituto Genealógico Bra­sileiro.

RGCSP  ........ Registro Geral da Câmara de São Paulo, publicação oficial do Arquivo Histórico Municipal de São Paulo.

RGL/IGB  ..... Revista Genealógica Latina, publicação do Instituto Genealógico Brasi­leiro.

RIGB  ............ Revista do Instituto Genealógico Brasileiro.

RIHGB  ......... Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

RIHGSP  ....... Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

SL  ................. LEME, Luiz Gonzaga da Silva (* 1852- 1919). Genealogia Paulistana, São Paulo: Duprat & Cia., 1903 a 1905, 9 volumes.